segunda-feira, 28 de maio de 2018

CORUCHE: RIVALIDADE...O "MOTOR" DA FESTA DE TOIROS

Por: Catarina Bexiga

Por todo o mundo, as grandes rivalidades foram o “motor” da Festa de Toiros. Paixões, que dividiram os Aficionados, encheram as bancadas e agitaram os debates fora das arenas... Assim, também a Festa de Toiros cresceu de entusiasmo. Em Espanha, os exemplos são vários – uns mais duradouros outros mais fugazes – como aquela famosa rivalidade entre Joselito e Belmonte, que tanto ofereceu ao Toureio. Por cá, os exemplos são escassos, mas podemos mencionar o que se passou com João Branco Núncio e Simão da Veiga; posteriormente entre José Mestre Batista e Luís Miguel da Veiga; ou António Ribeiro Telles e João Salgueiro. No toureio a pé, nunca podemos esquecer Manuel dos Santos e Diamantino Viseu. Parelhas que, pelo entusiasmo que despertaram e pelos partidários que granjearam, contribuíram para que a Festa de Toiros caminhasse pelo seu próprio pé…

Ontem, em Coruche, Francisco Palha e Luís Rouxinol Jr. tourearam o seu primeiro mano-a-mano. E com uma mais-valia (como tem que ser!), com uma corrida séria de Palha, uma corrida que teve as exigências naturais de uma ganadaria dura, mas que não foi nenhum “bicho papão”. Toureáveis a maioria; apenas com mais problemas o quarto da função.

Pessoalmente, gostei mais dos argumentos apresentados por Luís Rouxinol Jr. Sempre com disposição e com determinação; e mostrando-se intencional na construção das suas actuações. Sobressaiu no segundo montado no Douro; e no sexto com o Amoroso. Duas actuações distintas, mas convincentes. Como quarto (o pior do curro), resolveu com desembaraço.

As actuações de Francisco Palha, a quem também não faltou querer, basearam-se em pequenas “explosões”. Com o seu primeiro, montado no Favorito (da quadra de António Ribeiro Telles) teve a prestação mais equilibrada; com o terceiro começou com uma meritória gaiola e terminou com um arriscado curto com o Roncalito; e com o quinto terminou com outro arriscado curto com o mesmo cavalo.

Que assim continuem, porque a Festa de Toiros precisa deles!

Pelos Amadores de Lisboa pegaram João Galamba à quarta tentativa, Bernardo Mira à segunda, e João Varanda à primeira. Pelos Amadores de Coruche concretizaram José Tomás à primeira, seguindo-se duas rijas intervenções por parte de  Fábio Casinhas à primeira e João Ferreira Prates à segunda. O Troféu “Carlos Galamba”, para o melhor ajuda, recaiu no forcado João Laranjinha dos Amadores de Coruche.

Foto: João Silva