domingo, 17 de abril de 2016

“Em que sentido está a evoluir o Toureio a Cavalo em Portugal?”

Por: Catarina Bexiga


Confesso que o único tema que me levou ao Fórum da Cultura Taurina que decorreu em Lisboa – promovido pelo Grupo Tauromáquico Sector 1 – foi o painel intitulado “Em que sentido está a evoluir o Toureio a Cavalo em Portugal?” 

Quem me conhece sabe que o tema me apaixona e preocupa. A manhã resultou interessantíssima… Embora – numa ou noutra abordagem - tenha ficado demostrado que se a cabeça já não serve para usar o tricórnio, pelos vistos, também já não serve para raciocinar… 

Ao pedir a palavra, questionei o argumento que mais me inquieta: a valorização e promoção do Toureio a Cavalo à Portuguesa, porque como defensora da nossa identidade, há dias em que não tenho tarefa fácil… Quanto à diferença entre o que se vê em Espanha e o que se vê em Portugal; a diferença marca o toiro, e não se deve fazer comparações. Então se os espanhóis são bons no que é o seu toureio, com o seu toiro; porque é que nós, portugueses, com a nossa história/estatuto, e com o nosso toiro, não nos preocupamos em ser bons no que é o nosso toureio? A resposta que ouvi de João Salgueiro e Duarte Pinto encantou-me: “300 % de acordo!”

Também se pode triunfar na vida sem cortar as orelhas na arena. Javier Castaño, um exemplo! Força TOUREIRO!


sábado, 16 de abril de 2016

UMA NOITE SEM GENIALIDADE

Lisboa
15 de Abril 2016

Por: Catarina Bexiga

A melhor defesa da Festa de Toiros faz-se na arena, e não é com campanhas de ”génios” a promover “génios” que vamos lá. Ao contrário do exageradamente anunciado, o regresso de João Salgueiro às arenas não teve nada de genialidade, aliás… não teve nada de nada. O seu primeiro toiro de Pinto Barreiros foi um dos vencedores do concurso, e o seu segundo levava o ferro de Murteira Grave e serviu.

Mesmo com as carências que mantém de saída, João Telles Jr. andou decidido e vibrante de curtos, aproveitando o “gancho” que tem no público. Lidou em primeiro lugar o toiro da casa (outro dos vencedores do concurso) e em segundo lugar o de  Veiga Teixeira parado e com problemas para resolver.

O rejoneador Manuel Manzanares  viu-se com intenções, mas intermitente nos resultados frente aos exemplares de Santa Maria. O primeiro reservado e o sobrero impróprio para sair à arena da capital. Todavia, foram seus os melhores ferros da noite (1.º, 3.º e 4,º) no que encerrou a nocturna de Quinta-feira em Lisboa.

Pelo Real Grupo de Moura concretizaram Cláudio Pereira, Rui Ameixa e Valter Rico, todos à primeira tentativa. Pelos Amadores do Aposento da Moita pegaram João Rodrigues à primeira, Nuno Inácio e José Maria Bettencourt, ambos à segunda.

Dos toiros a concurso –  Pinto Barreiros, David Ribeiro Telles, Santa Maria, Murteira Grave e Veiga Teixeira –  o sexto de São Torcato lesionou-se nos currais e saiu um sobrero de Santa Maria -  o júri premiou ex-eaquo os exemplares de Pinto barreiros e David Ribeiro Telles.


Foto: João Silva