segunda-feira, 25 de setembro de 2017

CORUCHE: UM BRINDE (A “PEITAÇA) COM SABOR A TRIUNFO (DE ROUXINOL JR.)!

Coruche, 24 de Setembro de 2017
Por: Catarina Bexiga

A tarde teve um nome: Rui Godinho “Peitaça”. Ao fim de 20 anos, despediu-se das arenas, depois de uma trajectória de paixão e dedicação aos Amadores de Coruche. A empresa De Caras e Tauromaquia disponibilizou 2.000 bilhetes a um preço acessível e a afición da Capital do Sorraia esteve com ele! Disposta a acarinhá-lo e a ovacioná-lo! Testemunho de uma história recheada de simplicidade, mas de enorme gratidão!

O curro de Palha saiu díspar de apresentação, mas transmitiu emoção, porque teve mobilidade, porque teve exigências… Toiros com personalidade, cada um com as virtudes e defeitos próprios da casta, mas para se os entender e tourear! Daqueles que não permitem “triunfos caseiros…”

Luís Rouxinol Jr. foi um verdadeiro “oásis no deserto”. Deu importância ao que fez, com argumentos, com o toureio sério por diante, e sempre pendente do elemento principal, o Toiro… Aliado a tudo isto, uma ambição sem limites. Começou com o “Aquiles” seguindo-se uma grande serie de curtos com o “Amoroso”. Venceu o prémio em disputa!
Os restantes intervenientes, pouco acrescentaram à tarde. Gilberto Filipe e António Maria Brito Paes andaram vulgares; Francisco Palha teve um grande inicio de actuação, mas sem continuidade; Miguel Moura e Parreirita Cigano andaram sem consistência.

Pelos Amadores de Coruche, pegaram João Ferreira à primeira, com uma grande primeira ajuda – pega que venceu o prémio em disputa – Rui Godinho “Peitaça” à segunda superiormente ajudado pelo grupo e António Macedo Tomás à primeira. Pelos Amadores da Chamusca foram solistas Hélder Delgado à segunda tentativa, com outra grande primeira ajuda, Mário Ferreira Duarte à segunda e Luís Isidro à terceira.

Foto: Monica Santa Barbara