sexta-feira, 15 de setembro de 2017

3.º DA FEIRA DA MOITA – MAIS PARECIA A “TERCEIRA GUERRA MUNDIAL”…

Moita, 14 de Setembro 2017
Por: Catarina Bexiga

Nem me apetece lembrar e muito menos escrever. Foram quatro penosas horas… que não passavam, que não aqueciam, que não acabavam. Os toiros de Veiga Teixeira – com média de 600 Kg – impuseram respeito, pediram cavaleiros com recursos, que lhes aguentassem as investidas mais duras ou que lhes pisassem os terrenos mais pesados … Que os soubessem tourear!
Do cartel fizeram parte António Ribeiro Telles, Rui Fernandes e Filipe Gonçalves; e foi o cavaleiro da Torrinha o mais “sobrado” dos três. Hoje o Toureio a Cavalo vive, mais que nunca, de “números” e quando sai o toiro exigente, como os de Veiga Teixeira, revelam-se as carências…

A meio do espectáculo, o amador Joaquim Brito Paes esteve correcto com um novilho de Paulo Caetano.

Para o Aposento da Moita, a noite de ontem mais parecia a “Terceira Guerra Mundial”. Os toiros de Veiga Teixeira maltrataram os homens da jaqueta de ramagens, que só a sesgo conseguiram resolver. Foram caras José Henriques à quarta tentativa, João Vasco Ventura à terceira, Martim Afonso dobrou Salvador Pinto Coelho à sexta, Ruben Serafim à quarta, José Maria Bettencout à quinta e Luís Fera dobrou Miguel Fernandes à terceira. O novilho lidado a meio do espectáculo foi pegado por João Gomes à segunda tentativa.

Uma noite sem ritmo, sem brilho, sem nada! Assim, não há afición que resista…

Foto: Pedro Batalha