sábado, 10 de junho de 2017

LISBOA: ONDE ESTÁ A SERIEDADE DO TOIRO NA CAPITAL?

Lisboa, 8 de Junho 2017
Por: Catarina Bexiga

Impõe-se questionar: Onde está a seriedade do toiro na Monumental do Campo Pequeno? Não concebo (eu e outros aficionados) que saiam à arena da primeira praça de toiros do país seis exemplares como os que vimos ontem. Não basta terem quatro anos cumpridos. Não basta terem mais de 500 Kg de peso. O que vimos foram seis toiros de Irmãos Moura Caetano sem a “ponta” de seriedade (subentenda-se trapio), mais adequados a uma desmontável do que à primeira praça de toiros do país. E não é a primeira vez! Durante a tarde (na imprensa da especialidade), a empresa apresentou ao público os oito exemplares que estavam nos curros da capital. Talvez não tenha tido a noção, que a divulgação dos mesmos teve um retorno contrário ao pretendido, em vez de levar público, tirou público! E não ficamos por aqui. Sem trapio… E mansos, desinteressado, sem raça, com querença em tábuas, sem  vontade de investir… Mansos de livro. Os seis!

A história da última nocturna no Campo Pequeno conta-se em poucas linhas. Rui Fernandes teve a actuação mais convincente com o primeiro da noite. Montado no “El Dorado”, mostrou disposição para contrariar a mansidão do exemplar de Irmãos Moura Caetano, sobressaindo um segundo curto de boa nota. Com o quinto, nada acrescentou. De João Moura Caetano, recordo apenas dois ferros: no primeiro toiro, com o “Temperamento”, um quiebro cingido; e no segundo, com o “Xispa”, um outro curto de boa nota. A passagem de Leonardo Hernández pela capital careceu de conteúdo e interesse. Longe de entusiasmar quem sabe o que é o toureio a cavalo.

O grupo de Turlock voltou a enriquecer o seu historial com a noite de ontem. Pegaram Jorge Martins à primeira tentativa, Seteven Cambaio também à primeira e David Sanchez à segunda. Pelos Amadores de Alcochete concretizaram Pedro Viegas à quarta, Diogo Timóteo à segunda e o cabo Nuno Santana à primeira.

Estranhamente (ou talvez não!) ninguém protestou com a apresentação dos toiros. Sinais dos tempos moderno…  tempos perigosos!