sexta-feira, 1 de julho de 2016

LISBOA: UMA NOITE COM NOVOS ODORES…

Lisboa, 30 de Junho 2016
Por: Catarina Bexiga

Esta foi uma Quinta-feira diferente. Cheirava a Romero. Cheirava a Cohiba . Uma mescla de odores que são sinónimo de arte. A arte do toureio e a arte do cante. De um lado Morante de La Puebla. Do outro Diego El Cigala.

A noite valeu pela faena ao quarto da função. A mais cuajada, a mais redonda. No primeiro toiro, foi evidente a disposição com que o toureiro estava a encarar o desafio, e a espaços vimo-lo a gosto, sobretudo pelo pitón direito. Os dois seguintes de Zalduendo não colaboraram, e havia que acreditar no último… Morante toureou de capote com mimo, com preciosos lances à verónica das tábuas para os médios, rematando com uma média-verónica ao ralenti. Depois a faena teve magia. Morante toureou como só ele sabe. Com carícia. Com alma. Com duende. E com a voz de El Cigala de fundo a embelezar ainda mais a obra.



Esta foi uma Quinta-feira diferente. Uma noite em que a arte do toureio e a arte do cante ofereceu-nos sensações sui generis… 

Foto: João Silva