sábado, 8 de abril de 2017

LISBOA: REVITALIZAÇÃO OU MEDIATISMO?

Lisboa, 6 de Abril 2017
Por: Catarina Bexiga

Juan José Padilla somou a terceira saída em ombros pela porta grande da Monumental do Campo Pequeno. A sua presença esgotou o coso lisboeta e suscitou na afición portuguesa um histerismo colectivo. Hoje, quem vai ver o jerezano (e muitos foram os que abandonaram as bancadas após a sua última faena) não vai , simplesmente, ver um matador de toiros que está no seu momento; Padilla é um “produto” diferenciado, um exemplo de superação, a vitória da vida sobre a morte… Particularmente, na praça de toiros da capital, a mensagem de Juan José “cai bem” num público diverso, receptivo a tudo, que procura algo que o divirta… Padilla bandarilhou os seus dois toiros de Varela Crujo, explorou a nobreza do primeiro (excessivamente premiado com a chamada do ganadero à arena), construindo uma faena variada e ligada; e com o segundo, que investiu sem classe, tirou partido da generosidade do público português. Feitas as contas, duas voltas no primeiro, mais três voltas no segundo, igual a saída em ombros.

No final da tarde de Quinta-feira, um painel de oradores, composto por João Queiroz, José António Campuzano, Rui Bento Vaquez, Manuel Dias Gomes e Pedro Brito de Sousa, abordou o tema da “Revitalização do Toureio a Pé em Portugal”.  O optimismo foi a palavra comum no discurso de todos. Todavia, depois da valorização de Juan José Padilla, cabe também aos aficionados apoiarem os matadores de toiros portugueses para a revitalização que urge. A faena de Manuel Dias Gomes em Lisboa (Setembro), com um toiro de Manuel Veiga; e a de António João Ferreira em Vila Franca de Xira (Outubro) com um toiro de Falé Filipe; mereciam que ambos tivessem na agenda vários contratos. A não acontecer, estaremos a falar de revitalização ou mediatismo?

Voltando à arena de Lisboa, na noite do seu debute, a Roca Rey tocou os dois piores toiros do encierro de Varela Crujo , o terceiro sem força, custava-lhe a seguir os voos da muleta; e o sexto revelou-se manso, investindo com brusquidão. Sem opções, o peruado esteve por cima das condições dos adversários. A espaço, ainda desfrutámos da sua classe e do seu temple.

João Moura recebeu à gaiola o seu primeiro Vinhas - que investiu melhor atrás do cavalo do que nas abordagens – e apenas logrou dois curtos convincentes, com o “Colombo”, o terceiro e quarto da serie. Frente ao desenraçado quarto da função, a actuação careceu de interesse.

Pelos Amadores de Vila Franca de Xira pegaram o cabo Ricardo Castelo e Rui Godinho, ambos à segunda tentativa.

A noite terminou como começou, com um ambientazo em redor do novo ídolo do Campo Pequeno: Juan José Padilla.